A Palavra do especialista

Não existe um momento certo como regra. Toda ocasião pode ser considerada um momento possível para conversar com a criança sobre sua história e a história da família que a adotou. Muitos pais adotivos falam sobre adoção na frente da criança, mas não falam com ela sobre sua adoção. 

A reflexão tem como ponto de partida a leitura do livro Tempo de Espera – como vivem as crianças, o casal e os trabalhadores sociais à espera da adoção, de Antonio D’Andrea.

O autor nos leva a um caminhar reflexivo tendo como interlocutora a pequena Martina, de apenas 6 anos de idade. Inquieta e cheia de vida, Martina nos remete a lugares antes visitados sem muita atenção... e nos mostra toda a ansiedade, alegria e temor que eles podem nos causar.

O Cadastro Nacional de Adoção deve ser alimentado com os perfis das crianças já aptas para adoção, ou seja, crianças já destituídas do poder familiar, e dos habilitados à adotar.
Assim, crianças e adolescentes que não tenham ainda sido destituídos não constarão do CNA como aptas à adoção.

VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE DO DISTRITO FEDERAL,

Adotar é um desafio porque relacionar-se é sempre um desafio. Temos que acolher, aceitar o outro em sua integridade, com sua beleza e originalidade, mas, também com suas dificuldades e limitações. Esse amor incondicional, alguns dizem que só mesmo Deus é capaz de dar. A maioria de nós mortais tem dificuldade para amar incondicionalmente, sem medo e sem exigências.

Normalmente o consultório do Pediatra é o local onde os pais despejam todas as suas inseguranças e dúvidas acerca da saúde e do comportamento de seus filhos. Por isso, a importância de se desvendar questões que envolvem a adoção de crianças.
 

O Manual de Pediatria nasceu da necessidade de padronização de conduta dos vários serviços de puericultura da Faculdade de Medicina do ABC e não tem outra pretenção a não ser um instrumento rápido de consulta para pediatras e outros profissionais que atuam em consultórios ou ambulatórios de pediatria. As informações nele contidas seguem as determinações da Organização Mundial de Saúde, Ministério de Saúde e Sociedade de Pediatria. O volume foi escrito por professores da Faculdade de Medicina com a participação de profissionais de outras áreas de conhecimento, sendo publicado com apoio da Nestlé Nutrition em conformidade com a lei 11.265 de 3 de janeiro de 2006.

O texto a seguir faz parte desse manual.

 

O que parece uma pergunta inocente para qualquer um, para alguns pais é a dor do dedo na ferida. Conferir a paternidade dealguém, mais que invasão à privacidade, pode representar o constrangimento de tocar num assunto delicado e o enxerido arrisca-se a ouvir uma resposta malcriada.

Pais adotivos, por exemplo, odeiam essa pergunta. Presenciei muitas queixas e ouvi as mais variadas respostas possíveis para essa simples pergunta nas várias atividades ligadas à adoção em que me envolvi nos últimos anos e no meu círculo de amigos – também pais adotivos. Aliás, eu mesma estive nesse lugar de ver contestada minha maternidade, não só em relação a meu filho adotivo, mas também ao caçula, gerado por mim.