Atualmente, mais de 500 crianças e adolescentes esperam por um lar em Santa Catarina. De outro lado, segundo o Ministério Público, 3 mil famílias desejam adotar um filho. A maioria dos candidatos, no entanto, tem preferência por crianças recém-nascidas, brancas e saudáveis, como mostrou o RBS Notícias.

Generosidade
Gustavo aguardou 15 anos para ter uma família, pois estava na fila de adoção com dois irmãos. “Eu pedi para falar com a juíza e abri mão de nós três irmos juntos, para facilitar a adoção deles e para que eles não sofressem o que sofri lá dentro”, contou.

Os dois irmãos menores encontraram um lar, mas Gustavo, acabou ficando para trás, até que a família de um dos irmãos descobriu o que ele havia feito.

Família Santos adotou dois irmãos (Foto: Reprodução RBS TV)Família Santos adotou dois irmãos (Foto: Reprodução RBS TV)

“Quando soubemos da história, que o Gustavo abriu mão da adoção dele pelos dois irmãos, não não havia como perdê-lo”, disse Reginaldo dos Santos, pai dos meninos.

“O meu grande sonho era ser chamado de pai e foi a grande alegria da minha vida, o dia em que o Guilherme e o Gustavo me chamaram assim”, emociona-se.

Em Santa Catarina, atualmente, são 539 crianças e adolescentes na fila de espera, de acordo com o MP. Enquanto isso, 3,2 mil candidatos querem adotar um filho, o que chega a quase seis famílias para cada criança.

Para ver a matéria completa, clique em http://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2016/07/restricoes-de-familias-aumentam-espera-de-criancas-por-um-lar.html